Imersão em Contos [5]

quarta-feira, 8 de setembro de 2010

Leia a série do início: Prolegômeno

Capítulo anterior: A Descoberta

O Quarto

 

          “Cheguei em frente à fechadura do quarto de Luna, fechei os olhos, torcendo para que desse certo. Prendi o ar, segurei a chave em minhas mãos, e finalmente o primeiro alívio, a fechadura aceitou. Faltava a segunda parte. Vagarosamente girei a chave, e pra minha surpresa a fechadura retraiu, e a porta se abriu. Em dois passos já estava dentro do quarto.

          Eu preciso descrever o que vi. Mas por mais que pense e rabisque nessa maldita folha não consigo encontrar as palavras certas para descrever o que eu vi e senti. Por isso, farei com que seus próprios olhos possam enxergar o horror pelo qual passei ao abrir aquela porta...

          Eu não estou certo ainda se devo entrar novamente naquele quarto. Tenho quase a absoluta certeza de que irei me arrepender profundamente de ver aquilo novamente. Mas a necessidade de registrar o que eu vi é maior do que meu próprio medo. Vou tentar fazer isso enquanto eu ainda consigo controlar a minha mente. Enquanto eu estiver no controle tudo sairá bem. Tenho certeza que sim... espero que sim.”

          As últimas frases que estavam rabiscadas naquele papel amassado ainda ressoavam na cabeça de David, quando aquelas imagens desprovidas de qualquer sanidade começavam a surgir na tela. Uma a uma, aquelas dez lembranças registradas por Maurício foram pulando da tv e se alojando profundamente dentro de sua mente. Não conseguia crer. O temor começava a retumbar no peito dele. De alguma forma estranha, as fotos lhe causavam um frenesi difícil de descrever. A cada momento, as unhas de David se cravavam mais profundamente no sofá, e seu coração batia mais forte. Não sabia porque aquilo acontecia com ele, apenas sabia que lhe significava alguma coisa....

 

A Primeira Imersão

 

          Diante das imagens, uma lágrima percorreu o rosto de David e pingou suavemente em seu colo. O transe causado pelo que via apenas foi cortado no momento em que ele novamente ouviu a voz da apresentador anunciando:

          E diante desse horror que todos nós acabamos de presenciar, chegamos ao fim do nosso segundo bloco. Após esse momento de incredulidade, Maurício novamente voltou a escrever, dessa vez dentro do quarto, e podemos dizer que suas palavras são tão confusas quanto as próprias fotos que tirou. Então, não percam o próximo bloco, onde iremos mostrar um bilhete encontrado amassado jogado ao fundo do quarto onde as fotos foram tiradas, e tirem suas próprias conclusões sobre o estado em que ele se encontrava...

          David ofegava incrédulo, tentando organizar na sua mente as ideias passadas pelo que vira. Naquele momento o melhor que tinha a fazer era levantar e ir buscar um copo de água, antes que a ansiedade tomasse conta de todos os seus pensamentos...

Próximo capítulo: O Desespero

7 Comentários:

Tio disse...

Deu trabalho neh =S
mas conseguimos \o/

Alfer Medeiros disse...

E que venha a parte 6!

Paloma disse...

mal posso esperar para entender o que aconteceu nesse quarto!
=D

Tio disse...

nos tambem paloma...nos tambem...
hauhahaauhahuhaahauaha \o/

Anônimo disse...

vcs tao fazendo uma parte do conto por MES? =/

Aliss0n disse...

A idéia é um por semana.. mas pegou época de prova.. aí já viu =(

Mauricio Xaveir disse...

Muito legal.

Não eh fácil esta vida de escritor, fico aqui imaginando quantos dólares devem ter gasto em ketshup...digo digo sangue e comprimidos para realizar estas imagens de causar inveja a qualquer filme Hollywoodiano.

Mas oque mais achei interessante foram as mensagens subliminares, como "INTER MORTO"...

Levando em consideração o sangue projetado nas paredes que se estende por todo o quarto, inclusive no teto, acredito que Luna tenha permanecido confinada por meses, até mesmo anos.

Assim surgem algumas possíveis hipóteses, tais como:

* Alguém teria que visita-la semanalmente/diariamente para alimenta-la.
* Talvez tenha permanecido viva todo este tempo alimentando-se de comprimidos altamente caloricos e proteicos. Obs:( hmmm to precisando duns comprimidinhos testes...).
* O fato de ter marcas de mãos no teto, pode indicar que ela estava de alguma forma desesperada procurando por alguma saída seja lá qual for.

Analisando as imagens todos os meus sentidos indicam, que tem alguma coisa muito sinistra naquele ursinho que tudo vê com seus grandes olhos, algo me diz que ele eh a chave para desvendar os mistérios deste terrível acontecimento...

Vamos lá pessoal não me deixem aqui viajando sozinho dêem suas opiniões...quero desvendar esta historia antes do Alisson terminar de escreve-la por completo.