Contos & Sons [2]

sexta-feira, 11 de fevereiro de 2011


Bom pessoal, estamos aqui para a segunda parte da sessão Contos & Sons, e de praxe, a segunda etapa da Promoção Bandeira Negra.

Foi uma boa participação na primeira etapa, mas quem ainda não está participando, ainda tem muita chance de vencer.

Como antes, a frase da promoção estará no fim do post e peço que retwitem a partir de amanhã, para não tirar a vantagem de quem irá receber por email. Não recebeu por e-mail? Inscreva-se :)

Boa sorte à todos...

Com vocês: Contos & Sons 2

-------------------------------------------------------------------------------------
Quando abri os olhos, pouco tempo atrás, não consegui enxergar o que estava acontecendo, pois a luz estava desligada.

Eu senti uma dor enorme nas minhas articulações, mas não conseguia entender o que estava acontecendo. Não conseguia mover meus membros para tentar encostar naquilo que estava me causando tanto sofrimento. Eu estava em pé, mas as pontas dos dedos mal encostavam no chão.

De início imaginei que eu estava pendurado pelo pescoço e a dor fosse causada pela falta de oxigenação, mas o pensamento de me matar tinha passado rapidamente pela cabeça e eu não lembrava de ter feito realmente o que desejava.

Gritei. Ou ao menos tentei, mas não escutei som algum. A vida me privou da voz logo na minha infância, e tudo que consegui emitir foi um grunhido. Estava só... Ou ao menos foi meu pensamento, que logo foi rechaçado quando ouvi um baque perto de mim, que me assustou um pouco.

As luzes se acenderam e meus olhos começaram a arder, até se acostumar com a claridade. Quando finalmente pude perceber onde eu estava, percebi o que estava me suspendendo. Cordas saíam de vários nós do meu corpo, subindo até o teto. Ao meu lado, outras três pessoas estavam mortas... Foi o que eu pensei também, antes delas abrirem os olhos.

A que estava à minha esquerda tinha os olhos brancos, e tentava desesperadamente se desvencilhar das cordas, mas isso apenas causava mais dor à ela. Ela urrava pedindo por socorro, mas sem enxergar absolutamente nada.

O que estava à minha direita demorou um pouco mais à abrir os olhos, e fiquei aliviado quando percebi que ele ao menos conseguia ver. Quando ouvimos novamente o baque à nossa direita, eu e a mulher à minha esquerda olhamos assustados novamente, porém o homem à direita não se moveu, como se não tivesse escutado nada.

Então uma música começou.

Uma sinistra música, que fazia doer a espinha de medo.

Aí apareceu à nossa frente um homem todo de preto, encapuzado.

- Vocês estão prontos? - Disse, terminando a frase com uma risada maléfica.

Batendo palmas, fez com que as cordas começassem a se mover, fazendo a dor, que tinha sido substituída pela adrenalina, voltar a corroer nossos ossos. Aí pude perceber com clareza o que me machucava tanto. Ganchos saíam das pontas das cordas, cravando fundo na carne, pensei até que nossos nervos estavam sendo destruídos por aquele bizarro pêndulo.

Começamos uma dança macabra causada pelo tensionamento e relaxamento daquelas cordas, fazendo com que o sangue que saía de nossos membros formassem uma poça logo abaixo de nós. O sofrimento me fazia implorar pela morte. Porque aquilo estava acontecendo? Seria alucinação? Estaria eu sobre efeito do pó?!

O homem andou vagarosamente até à pessoa à minha esquerda, e gritou nos ouvidos dela, fazendo-a pular de susto, rasgando um pouco mais a pele dela:

- Dance, minha criança.... Dance!

Seus pés e braços não paravam de se mover. E ela não parava de gritar.

Um estalo foi ouvido. Causado pelo pulo do susto que tomou, os braços começaram a se desprender do corpo, e lentamente ela foi caindo, aos berros no chão.

- Você está sendo muito má. - Dizia ele. Mas ela o ignorava, e apenas implorava por sua vida, agora sem o apoio dos braços estatelando a face no chão, deixando as mãos acenando no ar, mas já sem um corpo para comandar.

- Veja isso... - Ele falou, enquanto com a sola do bota que estava usando, termina com o sofrimento dela, espalhando massa cinzenta por todo o solo, misturando-se ao sangue.

Então ele andou até o homem e falou algo que não pudemos distinguir, ao pé do ouvido dele. Ele apenas se contorceu de dor, e gritou algo parecido com um - Quem é você -.

E o homem de preto bateu palmas.

E as cordas começaram a se afastar, mas apenas a das pernas do pobre homem. Então ele começou a ser esticado, ao som daquela música. Já dava para vermos as veias das coxas dele entrando em colapso, quando ouvi um barulho característico do meu joelho quando me levanto depressa. E os fêmurs foram separados da bacia, fazendo com que urros de porcos sendo carneados pudessem ser ouvidos da boca daquele homem.

Nessa hora, seu algoz gritou: - Peça ao seu mestre para sair agora e eu te deixarei.

Mas apenas espasmos saíam do corpo dele...

- OBEDEÇA! - Ordenava ele. Mas em vão...

Então ele caminhou até aquele ser que já não comandava mais as pernas, e disse:

- Você não consegue me ouvir? - Enquanto com o bico da bota acertava seu maxilar, de baixo para cima, terminando com a vida dele.

Logo após isso ele caminhou até mim. Novamente batendo palmas, as cordas deram um puxão, rasgando minha pele nos quatro membros, e me derrubando no chão. Provavelmente os ganchos não estavam fixados nas articulações.

Eu caí, mas não conseguia gritar; não conseguia expressar a minha dor.

Ele se abaixou e disse-me: - Rasteje até mim.

Assim o fiz, ensanguentado, e com cada vez mais saindo do meu corpo, cheguei até ele, com esperanças de que meu esforço fosse recompensado.

Então, quando cheguei até ele, pude perceber um largo sorriso em sua face. Chegou ao pé do meu ouvido e me sussurrou:

- Diga meu nome...-

Entrei em desespero, e tentei gritar, tentei chamar, tentei clamar a Deus. Ele apenas tirou um gancho do bolso, e repetiu a última frase, enquanto lentamente rasgava as artérias do meu pescoço....

-------------------------------------------------------------------------------------

Frase para divulgação: Eu já estou participando da promoção do #depositodecontos. Acerte você também a música e participe: http://migre.me/3RuFQ

11 Comentários:

MeU BloG disse...

Master of puppets - metalica!

Tem q ser essa!!!! eu não me liguei quando li, mas depois de 10 min de google conclui que é a que melhor se encaixa!! ^^

by Paloma Rizzi

Tio disse...

Master of puppets LOL

adiministrador disse...

Falling Into You
Sebastian Bach

Vanessa disse...

metallica

Luís Knob disse...

last kiss - pearl jam

Diego P. G. Silva disse...

Mais uma vez não sei que música éh! =\


entao um chute q eu sei q nao passa nem perto é : "Demons" - Avenged Sevenfold

Rainier Morilla disse...

Depois de ler e reler umas 5 vezes e pesquisa na internet vou postar uma somente para ganhar um ponto.
--
Say My Name - Ac/dc
--
Pelo menos tem no texto essa frase. =D

Rainier Morilla disse...

Ainda errei o nome da musica! É Are You Ready do AC/DC!
--
Os caras não tem uma musica chamada Say my name.

Agora estou na lanterna com uma péssima imagem!

Ryuuzaki disse...

Imagino que seja Master of Puppets do Metallica.

Rainier Morilla disse...

Agora eu descobri!!!

É Master of Puppets do Metallica! =D

JonesVG disse...

Master of Puppets do Metálica!